Procurar Notícia


Instituto Adolfo Lutz confirma variante ômicron em dois testes positivos de Covid no Brasil

O Instituto Adolfo Lutz confirmou nesta terça-feira (30) dois resultados positivos para a variante ômicron do coronavírus no Brasil. O sequenciamento genético que apontou a variante nos testes de dois passageiros vindos da África do Sul foi feito pelo Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Um terceiro caso suspeito, de um passageiro que veio da Etiópia e desembarcou em Guarulhos, ainda está sob investigação do Lutz.

Segundo a Secretaria Estadual da Saúde, os dois casos confirmados são de um homem de 41 anos e uma mulher de 37, provenientes da África do Sul.

Ambos tiveram resultado positivo em exames de PCR coletados no laboratório do Einstein instalado no Aeroporto Internacional de Guarulhos em 25 de novembro. Os dois apresentavam sintomas leves na ocasião.

Os dois são missionários brasileiros, que moram na África do Sul e vieram para São Paulo visitar familiares que moram na Zona Leste da capital paulista.

Não há registro no VaciVida de vacinação deles contra a Covid no estado de São Paulo.

Diante do diagnóstico positivo, o casal foi orientado a permanecer em isolamento domiciliar. Ainda segundo a secretaria estadual, ambos estão sob monitoramento das Vigilâncias estadual e municipal de São Paulo, juntamente com seus familiares.

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o casal desembarcou no Brasil em 23 de novembro com comprovantes de PCR negativo. Mas, como se preparavam para retornar ao país africano em breve, realizaram um novo exame no dia 25, quando ambos testaram positivo.

“A Anvisa ressalta que a entrada do passageiro no Brasil ocorreu no dia 23/11, ou seja, antes da notificação mundial sobre a identificação da nova variante, que foi relatada pela primeira vez à Organização Mundial da Saúde (OMS) pela África do Sul no dia 24 de novembro. A entrada também foi anterior à edição da Portaria Interministerial CC-PR/MS/MJSP/MINFRA 660, de 27 de novembro de 2021, que proibiu, em caráter temporário, voos com destino ao Brasil que tenham origem ou passagem pela República da África do Sul e que também suspendeu, em caráter temporário, a autorização de embarque para o Brasil de viajantes estrangeiros, procedentes ou com passagem, nos últimos 14 dias antes do embarque, por esse país”, diz nota da Anvisa.

A partir dos resultados positivos, o Einstein, então, realizou o sequenciamento genético das amostras e notificou a Anvisa sobre os resultados positivos dos testes e, nesta terça, informou que, “em análises prévias, foi identificada a variante Ômicron do Sars-Cov-2”, informa a agência.

A responsabilidade no monitoramento nos aeroportos é da Anvisa e, até o momento, o governo federal não exige o comprovante de vacinação contra Covid-19 de viajantes estrangeiros para a entrada no país, apenas um teste negativo de PCR e um atestado de saúde.

A Anvisa afirma que oficiou o Ministério da Saúde e as Secretarias de Saúde estadual e municipal de São Paulo para adoção das medidas pertinentes.

A variante ômicron – também chamada B.1.1529 – foi reportada à OMS em 24 de novembro de 2021 pela África do Sul. De acordo com OMS, a variante apresenta um “grande número de mutações”, algumas preocupantes. O primeiro caso confirmado da ômicron foi de uma amostra coletada em 9 de novembro de 2021 no país.

Nesta terça (30), autoridades sanitárias holandesas afirmaram que a variante já estava presente na Holanda no dia 19 de novembro – uma semana antes do que se acreditava e antes da OMS classificar como variante de preocupação.

A primeira imagem da variante ômicron do coronavírus revelou mais que o dobro de mutações que a da variante delta. (G1)

0 comments:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*