Procurar Notícia


Bolsonaro pede que caminhoneiros liberem rodovias

Ao perceber que caminhoneiros bolsonaristas pretendiam realizar paralisações em várias rodovias do país como forma de protesto antidemocrático contra o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Jair Bolsonaro pediu à categoria nesta quarta-feira (8) que recue e liberem as vias.

Desde a noite passada, circula nas redes sociais uma mensagem de voz do presidente pedindo a liberação das vias. “Fala para os caminhoneiros aí que [eles] são nossos aliados, mas esses bloqueios aí atrapalham a nossa economia. Isso provoca desabastecimento, inflação, prejudica todo mundo, em especial os mais pobres. Então, dá um toque nos caras aí, se for possível, para liberar, tá ok? Para a gente seguir a normalidade”, diz Bolsonaro.

Surgiu também um vídeo onde Bolsonaro fala com apoiadores, passando o mesmo recado. “Se eu puder apelar aos caminhoneiros aqui para que não parem o Brasil… sei do poder que eles têm, reconheço o trabalho que eles fazem, mas acredito que a paralisação não interessa para nenhum de nós”.

“Agradeço aos caminhoneiros por tudo que eles têm feito, têm suportado o preço do combustível, pedágios altos”, prossegue Bolsonaro. “Não é a gente matando a vaca que vai liberar um carrapato”.

Um apoiador chega a pedir uma paralisação por “só 48 horas”, mas não é respondido.

Ministro confirma áudio
Ainda na quarta (8), o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Freitas, gravou vídeo para confirmar que a mensagem de Bolsonaro era real. “É real, é de hoje e mostra a preocupação do presidente com a paralisação dos caminhoneiros. Essa paralisação iria agravar efeitos da economia e de inflação e iria impactar os mais pobres, os mais vulneráveis”, declarou Freitas.

“A gente não pode tentar resolver um problema criando outro e, principalmente, prejudicando os mais vulneráveis”, disse o ministro, reforçando a veracidade do áudio de Bolsonaro. (Jornal de Brasília)

0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*