Procurar Notícia

PF vê movimentações suspeitas em contas de 2 supostos hackers

A Polícia Federal (PF) identificou movimentações “suspeitas” nas contas de dois dos quatro investigados na operação que apura a invasão de celulares do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

Os detalhes constam da decisão do juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara da Justiça Federal, em Brasília, que autorizou a prisão de quatro pessoas, além de buscas e apreensões. Segundo a decisão do juiz, o relatório da PF sobre as investigações demonstra que dois investigados movimentaram, juntos, mais de R$ 627 mil entre março e junho.

De acordo com a PF, o cadastro bancário de um dos investigados mostra que a renda mensal dele era de R$ 2,8 mil. Do outro, segundo a PF, era de R$ 2,1 mil.

“Diante da incompatibilidade entre as movimentações financeiras e a renda mensal […], faz-se necessário realizar o rastreamento dos recursos recebidos ou movimentados pelos investigados e de averiguar eventuais patrocinadores das invasões ilegais dos dispositivos informáticos (smartphones)”, diz o juiz Vallisney de Oliveira.

Na decisão, o magistrado também autoriza o bloqueio de R$ 1 mil nas contas dos quatro investigados. Segundo ele, o pedido do Ministério Público Federal, que desejava bloquear R$ 10 mil de cada um, não pode ser atendido agora porque trata-se de diferentes investigados e de movimentações “bastante difusas e variadas entre eles”.
‘Organização criminosa’

Segundo a decisão do juiz, a PF apresentou um “histórico de possíveis crimes praticados em conjunto pelos quatro”.

“Há fortes indícios de que os investigados integram organização criminosa para a prática de crimes e se uniram para violar o sigilo telefônico de diversas autoridades públicas brasileiras via invasão do aplicativo Telegram”, afirmou Vallisney na decisão.
Modus operandi

Segundo a decisão assinada por Vallisney, as investigações realizadas pela Polícia Federal apontaram que os supostos hackers tiveram acesso ao código enviado pelos servidores do aplicativo Telegram ao celular de Moro para abrir a versão do aplicativo no navegador.

O Telegram permite aos usuários pedirem o código de acesso para a versão web do aplicativo via ligação telefônica, segundo as investigações. Posteriormente, é enviada uma chamada de voz com o código para a ativação do serviço no navegador. Esta mensagem fica gravada na caixa postal das vítimas.

“O invasor então realiza diversas ligações para o número alvo, a fim de que a linha fique ocupada e a ligação contendo o código de ativação do serviço Telegram Web seja direcionada para a caixa postal da vítima”, afirmou Vallisney em sua decisão.

As autoridades que tiveram mensagens expostas disseram que receberam ligações do próprio número.
Mensagens

Um dos presos nesta terça, Gustavo Henrique Elias Santos, disse que viu mensagens interceptadas do ministro Sérgio Moro, de acordo com o advogado Ariovaldo Moreira.

Segundo Moreira, as mensagens foram apresentadas por Walter Delgatti Neto, que também foi preso na operação.

“O que eu posso adiantar é que, segundo relatos do Gustavo, o Vermelho [apelido de Walter] mostrou para ele algumas interceptações de uma autoridade há tempos atrás”.

Questionado se a autoridade era o ministro Sérgio Moro, o advogado confirmou.

“Ele negou para mim, disse que não tem envolvimento nenhum com essa interceptação. O que ele me disse é que chegou a ver isso no computador dele, inclusive ele printou [salvou imagens do computador] algumas mensagens no computador dele, e ele me disse que inclusive no aplicativo dele ele devolveu a mensagem pro Walter dizendo: ‘cuidado com isso que você vai ter problema'”, relatou Ariovaldo Moreira. (G1)

0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*