Procurar Notícia

Ação do MP resulta na retirada de nove crianças que viviam embaixo de ponte em Barreiras

Nove crianças moravam embaixo de uma ponte, em convívio com animais, bebidas alcoólicas, fezes e sujeira, às margens do Rio Grande e da BR 242, no município baiano de Barreiras. Uma delas, de apenas três anos, perdeu a perna direita ao ser atropelada nas mediações da ponte por um veículo de carga pesada, enquanto sua mãe lavava roupas no rio, no último mês de dezembro. A situação, comunicada pelo Conselho Tutelar de Barreiras ao Ministério Público baiano, chamou a atenção do promotor de Justiça Márcio Guedes que visitou pessoalmente o local e, em razão da situação de vulnerabilidade constatada, ingressou com uma ação de suspensão do poder familiar de cinco crianças irmãs para que fossem retiradas do local e acolhidas temporariamente em um abrigo. O juiz Ricardo Costa e Silva, atendeu o pedido do MP, e determinou a retirada dos cinco irmãos do local. A determinação foi cumprida na última sexta-feira, dia 8, com o apoio de policiais e bombeiros militares, conselheiros tutelares, assistentes sociais e psicólogos. Outras crianças que viviam no local também foram acolhidas e estão abrigadas no Lar de Emmanuel, que fica no município.

A medida de suspensão do poder familiar, segundo a decisão do juiz, foi deferida com a finalidade de “resguardar a integridade física e psicológica das crianças”. Ele determinou, ainda, que o acolhimento fosse feito no Lar de Emmanuel e que as crianças estudem e recebam acompanhamento especializado. Na manhã de ontem, dia 13, após cinco dias da ação de retirada das crianças do local, o promotor de Justiça Márcio Guedes visitou o abrigo que as acolheu para se cientificar da situação delas e encontrou as crianças bem vestidas e alimentadas, as maiores frequentando escolas e as menores recebendo as vacinas adequadas. “As crianças estão bem acolhidas, recebem a visita dos pais, e a tendência é que retornem para suas famílias, sob a condição de que não voltem a morar embaixo da ponte”, afirmou o promotor de Justiça. De acordo com informações colhidas pelo Ministério Público, a família possui uma casa em um bairro da cidade, mas permanecia morando embaixo da ponte em virtude do imóvel “ser pequeno” e “para comercializar seus produtos (de limpeza) e receber doações” no local. Para que a condição das famílias também seja avaliada, o promotor Márcio Guedes encaminhará cópia do processo para a Promotoria de Justiça com atribuição na área da Cidadania. Segundo ele, mais de 20 pessoas ainda moram embaixo da ponte. (Redator: Aline D'Eça MTb-BA 2594)


0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*