Veja como identificar e reagir ao assédio no ambiente de trabalho

Embora algumas empresas ofereçam mecanismos de proteção à vítima, a realidade é bastante diferente. A Organização das Nações Unidas (ONU) e o Minsitério Público do Trabalho (MPT) ajudam a 

esclarecer as principais dúvidas sobre assédio sexual no trabalho. Representantes dos dois órgãos explicaram ao jornal 'O Globo' como vítima de abuso deve proceder nesses casos, e como ir à Justiça.

1 - O assédio sexual no trabalho é qualquer provocação, proposta ou chantagem de natureza sexual manifestada por palavras, gestos ou outros meios, como o WhatsApp, por exeplo, imposta contra a vontade do outro. Também pode ser considerado assédio sexual, a exigência de um favor sexual em troca de benefícios ou para evitar prejuízos no trabalho, como a demissão, por exemplo.

2 - O assédio sexual é crime previsto no Código Penal, quando praticado por alguém com cargo superior à vítima. A pena prevista é de detenção, de um a dois anos.

3 - O assédio sexual não necessariamente precisa ocorrer no local de trabalho para ser considerado crime. Mas sim, é necessário que ocorra em razão do trabalho.

4 - A denúncia para esse tipo de crime deve ser levado a superiores ou mesmo ao departamento de Recursos Humanos da própria empresa. Também pode ser denunciado ao sindicato dos trabalhadores da categoria, ao Ministério Público do Trabalho, à Justiça do Trabalho e Delegacia da Mulher.

5 - As provas contra o agressor podem ser anotações com detalhes como ser denunciado ao sindicato dos trabalhadores da categoria, ao Ministério Público do Trabalho, à Justiça do Trabalho e Delegacia da Mulher. Gravações de conversas ou imagens, ainda que sem o conhecimento do agressor, têm valor de prova, assim como bilhetes, e-mails, outras mensagens, presentes e registros em canais da empresa ou órgãos públicos. (Noticias ao Minuto)

0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*