Com amigos presos, Temer diz que ser presidente é "estar sujeito a bombardeios a todo momento"

Sem comentar a operação que levou à prisão alguns de seus aliados, o presidente Michel Temer (MDB) disse, durante evento em Vitória, ser "um trabalho dificílimo" estar na Presidência. "É uma coisa que você fica sujeita a bombardeios a todo momento, mas tenho a felicidade de ter chegado até aqui". Após a abertura do aeroporto da capital capixaba, o presidente foi questionado sobre a operação e se havia sido informado previamente sobre ela. Ignorou as perguntas e foi retirado do palco por seguranças. Do lado de fora, Temer enfrentou protestos. O boneco de um "vampirão" de dois metros, armado com fuzil, foi queimado por manifestantes. Faixas contra o governo também foram colocadas no saguão. Esperado no evento, o governador Paulo Hartung (MDB) justificou a ausência em nota, dizendo que "o país amanheceu mais uma vez sobressaltado com fatos políticos preocupantes". Hartung não citou Temer no texto. Em Brasília, o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) defendeu o presidente. "Se isso não for tratado com sensacionalismo, não enfraquece o governo, porque o presidente não tem nada a ver com isso." "Entendemos que a decisão do presidente de colocar como concreta a possibilidade de que venha disputar a reeleição, faz com que, novamente, se dirijam contra nós os canhões da conspiração", disse, após reunião com Temer e outros ministros. (Central Noticias)

0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*