Juazeiro: Suspeito de estuprar jovem em boate já responde a processo por estupro de vulnerável

O homem suspeito de estuprar uma jovem de 18 anos dentro de uma boate na cidade de Jacobina, já responde a um processo por estupro de vulnerável. A ação foi movida em 2014 pelo Ministério Público do estado (MP-BA) em Capim Grosso. O G1 entrou em contato com o MP, para saber detalhes do crime e da ação, que corre em segredo de Justiça, e aguarda um posicionamento do órgão. O delegado Eduardo Brito, titular da 16ª Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Coorpin/Jacobina), que apura o crime da boate, confirmou a existência do processo de 2014 contra o suspeito, por supostamente ter violentado uma vítima menor de 14 anos. O suspeito, Marcus Rodrigues Machado, de 34 anos, está preso na delegacia de Juazeiro, aguardando audiência de custódia pelo suposto crime na boate. A reportagem não conseguiu contato com a dele. As roupas com marcas de sangue usadas pela jovem de 18 anos que acusa o homem de estupro não foram recolhidas para serem periciadas pela polícia. A informação foi divulgada pelo advogado dela, Pedro Cordeiro, que acredita que isso pode prejudicar as investigações. “Eu não entendi porque esses objetos não foram recolhidos pela autoridade policial e ter remetido à perícia técnica para chegar à verdade real. Então é um dos fundamentos que mandamos petição ao Ministério Público para que se faça averiguação e se chegue a esses fatos”, diz o advogado. A reportagem tentou contato com o delegado plantonista, que registrou o caso, mas não conseguiu. O advogado de Marcus também foi procurado, no entanto, não foi localizado. O caso ocorreu na madrugada de domingo (31), véspera do Ano Novo. O suspeito, Marcus Machado, de 34 anos, continua preso na delegacia de Jacobina. Ele nega o estupro e afirma ter feito sexo com o consenso da jovem. Uma audiência de custódia prevista para a terça-feira (2) não aconteceu porque o Judiciário ainda está em recesso. O advogado da jovem que acusa o homem de estupro, Pedro Cordeiro, disse que uma decisão da comarca de Jacobina converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva. “Ao entender do juiz, ele vai ter o tempo que durar o processo e pode ir até a condenação, com ele preso”, afirma o defensor.

Caso

As imagens da câmera de segurança da boate mostram o momento em que, segundo a vítima, pediu informações a Marcus sobre onde estavam os amigos e foi levada por ele para a saída de emergência da boate, onde teria acontecido o estupro. A amiga dela, Karen Dantas, disse ter ouvido a jovem gritando e ter encontrado ela depois do crime. A jovem e a amiga ainda contaram à polícia que foram agredidas pelo suspeito. Ao encontrar a amiga com o suposto agressor, Karen afirma que pediu socorro. “Comecei a gritar e ele saiu rindo”, disse. A amiga diz ainda que a jovem foi levada para o hospital com muito sangramento. Karen conta que não tinha amizade, mas já conhecia o suposto agressor, que é um morador da cidade de Jacobina. Antes da situação, ela diz que o rapaz teria cumprimentado, inclusive, um dos integrantes do grupo de amigos da jovem que denunciou o estupro.


0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*