Não dá para escapar de reforma da Previdência, diz Maia em Jerusalém

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que "não dá para escapar" da votação da reforma da Previdência. A declaração foi dada no segundo dia de visita do parlamentar à Israel. Maia participou de dois encontros no parlamento israelense (Knesset), com o presidente da casa, Yuli Edelstein, e com o ministro de Segurança Pública de Israel, Gilad Erdan. "Não podemos chegar como estamos em 2019, pois isso exigiria uma reforma muito mais dura do que hoje. Tenho alertado: não podemos chegar à situação da Grécia e de Portugal, que foram obrigados a cortar a aposentadoria", disse. Maia também afirmou que acredita que em breve receberá o projeto de privatização da Petrobras. "Temos pela frente temas que geram muito debate. Vamos ver o que mais será possível votar ainda nesse ano."

AGENDA EM ISRAEL: O primeiro-ministro israelense Binyamin Netanyahu cancelou a reunião prevista para hoje. Houve uma tentativa de incluir a comitiva brasileira na agenda do presidente de Israel, Reuven Rivlin -sem sucesso. Os encontros no Parlamento foram protocolares, com trocas de pequenos presentes (livros e camisetas) e sinalizações do desejo de aprofundar o relacionamento entre os dois países. Edelstein convidou o Brasil a participar, em fevereiro, de uma reunião internacional de diretores de parlamentos nacionais. Maia confirmou imediatamente o convite. Já Erdan convidou o governo brasileiro para um encontro internacional em maio, sobre segurança interna. Maia sinalizou, durante os encontros, uma intenção de criar laços com o setor de segurança do governo israelense e também com empresas privadas locais para aquisição de produtos e de tecnologias ligadas a segurança pública. "Diferente de Israel, o Brasil não corre risco de terrorismo. No entanto, temos o combate ao tráfico de armas e de drogas, e Israel tem tecnologias de controle de fronteiras que podem ser aplicadas em nosso país. Temos três crises com as quais lidamos no momento: a política e econômica, a ética e, em terceiro lugar, a violência, que já não está centralizada apenas no Rio e em São Paulo." Essa é a segunda visita de Maia a Israel, mas a primeira dos participantes da comissão que o acompanha, formada pelos deputados federais Baleia Rossi (PMDB-SP), Marcos Montes (PSD-MG), José Rocha (PR-BA), Alexandre Baldy (PODE-GO), Benito Gama (PTB-BA), Cleber Verde (PRB-MA), Heráclito Fortes (PSB-PI), Orlando Silva (PC do B-SP) e Rubens Bueno (PPS-PR). "Em muitos países, não apenas no Brasil, parlamentares são criticados por visitas como a que estamos fazendo aqui. Mas as relações parlamentares são importantíssimas para as democracias", afirmou Maia, defendendo-se de ataques a respeito da viagem, que está sendo custeada pelos cofre públicos. A comitiva viajará a Belém, onde visitará a Igreja da Natividade e se reunirá com a prefeita da cidade, Vera Baboun. O grupo irá a Ramala para se encontrar com o Secretário-Geral do Conselho Legislativo Palestino, Ibrahim Khrishi, e o Presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmoud Abbas. (Folhapress)

0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*