‘Eu posso sair desse país quando e como quero’, diz Battisti

O italiano Cesare Battisti disse nesta segunda-feira, 9, que pode sair do Brasil a hora que quiser. “Eu posso sair desse país quando e como quero”, declarou, em entrevista exclusiva à TV Tribuna, da Globo. Battisti está de volta à casa onde mora, na cidade de Cananéia, extremo do litoral sul do Estado de São Paulo. Na quarta-feira, 4, ele foi preso em flagrante por tentativa de evasão de divisas e lavagem de dinheiro quando atravessava a fronteira do Mato Grosso do Sul com a Bolívia. Levava em uma pochete US$ 6 mil e 1.300 euros em dinheiro vivo. Na quinta, 5, o juiz federal Odilon Oliveira, da 3.ª Vara Federal de Campo Grande, decretou sua prisão preventiva – sem prazo para terminar – diante da suspeita de que fosse fugir do País, com receio de uma nova ofensiva do governo da Itália para que o Brasil promova sua extradição. Na Itália, Battisti está condenado à prisão perpétua por terrorismo e acusação de quatro assassinatos nos anos 1970. Ele está refugiado no Brasil desde 2004. Em dezembro de 2010, no último dia de seu mandato, o então presidente Lula baixou decreto negando a Roma a transferência do italiano. Na sexta-feira, 6, à noite, o desembargador José Marcos Lunardelli, do Tribunal Regionjal Federal da 3.ª Região (TRF3) deu liminar em habeas corpus para Battisti. No sábado, 7, ele estava de volta a Cananéia. “Não é verdade o que se fala, que eu não tinha o direito de sair do País”, disse Battisti à TV Tribuna. “Porque eu não tenho refúgio político. Eu sou um imigrante, com visto permanente no País. Eu posso sair desse país quando e como quero. Eu não tenho nenhuma restrição”. “Eu tenho todo o direito de cidadão brasileiro”, declarou. “Eu não sou refugiado. Eu sou imigrante”. Battisti negou taxativamente que tivesse a intenção de fugir do país. “Ia estar fugindo de quê? O país onde estou protegido é aqui”. À Polícia Federal ele disse, em interrogatório, que planejava ir à Bolívia para pescar e comprar roupas de couro. Negou intenções políticas ou que fosse pedir refúgio no país vizinho. Disse, ainda, que não conhece o presidente boliviano. “Evo Morales? Eu não conheço esse nome, eu não conheço ninguém na Bolívia. E por que eu ia fugir? Estou protegido. O decreto do Lula não pode ser revogado. Depois de cinco anos acabou o prazo, não pode ser revogado”. (Estadão Conteúdo)

0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*