Só 10% dos donos de carros atendem a recalls de montadoras

As montadoras convocaram 82 recalls envolvendo 1,336 milhão de veículos em 2017. Mas apenas 125.350 carros foram levados à inspeção, ou seja, menos de 10% do total. Os dados são da Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), do Ministério da Justiça. “O recall é o procedimento de chamar de volta o consumidor para o reparo de um produto com defeito e evitar que o risco se manifeste e cause acidentes”, explicou o coordenador-geral interino da Senacon, Gabriel Reis Carvalho. Segundo a secretaria, as informações são atualizadas a cada 60 dias pelas empresas, ou seja, os números podem variar – mais consumidores podem ter levado o veículo para inspeção ou outros recalls podem ter sido convocados. O total de recalls convocados até setembro (102) é similar ao mesmo período de 2016, quando foram feitas 105 convocações. De acordo com a Senacon, o Brasil é um dos países que tiveram maior crescimento na quantidade de recalls na última década. Em 2006, foram 43 convocações no país. Em 2016, esse número subiu para 138, um aumento de quase 221% – o valor representa o recall de todos os produtos, inclusive eletrônicos e motocicletas. “O recall é um tema complexo e discutido em todo o mundo. Quase nenhum país tem nível de excelência nesse atendimento. A exceção é o Japão, onde o carro não pode ser vendido se tiver recall pendente, então é relativamento comum o atendimento chegar a 100%”, disse Carvalho. Segundo ele, o baixo atendimento dos consumidores ao recall pode ser explicado por falha de comunicação das empresas e outros fatores ligados ao comportamento do dono de veículo. “Um segundo aspecto é quando o consumidor se nega a atender o recall, teve gente que ficou sabendo do recall de um molho de tomate, mas preferiu jogar no lixo do que levar o produto para troca. Também existe no Brasil uma resistência em realizar o recall de forma clara e transparente. Às vezes a empresa esconde o recall ou tenta mascarar o problema”. Carvalho ressaltou que não há prazo para que o recall expire. “Podem se passar 10 anos, mas o consumidor ainda tem direito ao serviço, mesmo que o produto esteja fora da garantia ou que o dono não seja mais a pessoa que comprou”. No Brasil, a indústria automobilística é responsável por 80% dos recalls.

0 comentários:

Postar um comentário

©Site fundado: 09/10/2008 - Por: *Valter Egí - Todos direitos reservados à Jacobina News*